A vida eterna

Machado de Assis destaca-se por escrever as suas histórias de forma diferente da literatura de terror tradicional do século XIX, que tendia a tornar o leitor hesitante sobre o sobrenatural. O onírico, a imaginação, ou a loucura são sugeridos como possíveis explicações pelo autor brasileiro, diluindo o género do sobrenatural como um todo. A história narra um pesadelo, no qual subitamente aparece um desconhecido na casa de Camilo da Anunciação. Este vê-se surpreendido por um estranho, que lhe invade o domicílio e o coage a casar-se com a sua filha. O estranho identifica-se como sendo Tobias, matemático de formação, e bem sucedido comerciante. A filha, mostrada apenas em retrato, chama-se Eusébia, uma jovem de 22 anos de idade. Após a cerimónia, a noiva revela ao noivo o seu infortunado destino.

4.95

Detalhes

Capa

Mole

Dimensões

140 x 210 mm

Edição

05-2022

Idioma

Português

Páginas

64

Sobre o Autor

Machado de Assis

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu a 21 de junho de 1839, no Rio de Janeiro, no Brasil. Filho de um pintor doméstico de ascendência negra e portuguesa, foi criado, após a morte da sua mãe, por uma madrasta. Doente, epiléptico, de aparência desinteressante e gago, encontrou emprego aos 17 anos de idade como aprendiz de um tipógrafo e começou a escrever nos seus tempos livres. Em breve estaria a publicar histórias, poemas e romances segundo a tradição romântica. A reputação de Machado de Assis como um dos maiores escritores brasileiros repousa sobre a sua obra, os seus contos e dois romances posteriores, entre eles Dom Casmurro, considerada a sua obra prima. Em 1896, Machado tornou-se o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, e manteve o cargo até à sua morte, a 29 de setembro de 1908.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “A vida eterna”

O seu endereço de email não será publicado.

three × 1 =